ÓLEO DE ESPRUCE CLAREIA MANCHAS DE PELE

10364218_757637807640500_5362395402581106518_n

 

Um pesquisa demonstrou que o componente acetato de bornila presente em cerca de 30% do óleo de espruce possui alta atividade clareadora da pele por ação inibidora da tirosinase, enzima responsável pela formação de melanina na pele. Tal potencial pode ser aproveitado no clareamento de melasmas, manchas nas axilas e virilhas associadas a depilação, manchas de acne etc.

O estudo foi feito com o óleo essencial de Cryptomeria japonica, ou cipreste japonês. Contudo este óleo possui menos de 1 terço de aceto de bornila que o espruce canadense ou negro possuem.

O estudo também demonstrou que o acetato de bornila possui atividade anti-radicais livres similar a da enzima Super-óxido dismutase (SOD-like).

Existem outros óleos essenciais com potencial de clarear a pele. Há estudos comprovando isso para:

Turmérico (açafrão indiano)
Vetiver
Hortelã pimenta
Pindaíba
Abeto
Cape May
Capim limão
Gengibre CO2 ou HD (gingerol)

O hortelã devido ao seu ardor, deve ser empregado em diluição máxima de 0,5% se for ser empregado na região das axilas e virilhas, no rosto pode ser a 1%. O capim limão e o gengibre co2 e HD o limite é de 0,2% para uso visando evitar ardência (cuidado com estes). Os demais óleos podem ser empregados em diluições de 1%.

Você pode misturar mais de um tipo, por exemplo 1% de hortelã + 1% de vetiver + 1% turmérico. A base pode ser o Aloe gel ou My cream da Laszlo.

Lembrando que 1% de óleo essencial em 100 gramas é equivalente a 22 gotas de óleo essencial.

NÃO USE OS ÓLEOS PUROS POIS PODEM ARDER OU QUEIMAR!

Kim SH1, Lee SY, Hong CY, Gwak KS, Park MJ, Smith D, Choi IG. Whitening and antioxidant activities of bornyl acetate and nezukol fractionated from Cryptomeria japonica essential oil. Int J Cosmet Sci. 2013 Oct;35(5):484-90.
Link: http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/23714012

Estes óleos essenciais você encontra na

so_pria
Sua Saúde Natural!
www.pria.com.br

Anúncios

CIPRESTE AZUL – O óleo que faz neurônios crescerem e paralisa a tensão muscular

1779892_715436991860582_3125147438585097835_n

“O cipreste azul (Callitris columellaris (sin.: Callitris intratropica)) é um novo óleo essencial que chega na aromaterapia armado de grande potencial terapêutico. Seu maior destaque é a sua capacidade neuroprotetora e indutora do crescimento de axônios em neurônios, útil a quem sofre de doenças associadas com a perda neural (como o Alzheimer, esclerose múltipla, avc, senilidade e outros), e sua potente ação relaxante muscular, que o torna um dos recursos mais eficientes para uso na massagem.” LZ

Indicações terapêuticas:

– Antiinflamatório útil em bursites, artrites e reumatismos +++
– Analgésico útil em tendinites, contusões e distensões musculares +++
– Relaxante muscular útil em torcicolo, tensão e nódulos musculares ++++
– Antialérgico (pele, rinite) ++
– Antifúngico e antimicrobial (bactérias e micoses) +++
– Cicatrizante útil em feridas e queimaduras +++
– Regenerador da pele e rejuvenescedor +++
– Antioxidante +++
– Anticancerígeno e antitumoral +++
– Imunoregulador em doenças auto-imunes como dermatites +++
– Reduz convulsões e frequência de ataques epilépticos
– Possui efeito hipotensor +
– Aumenta a motilidade intestinal melhorando a prisão de ventre ++
– Reduz rugas e linhas de expressão ocasionadas por tensão dos músculos faciais ++++

1010115_715440185193596_5077430084730731439_n

O cipreste azul é uma árvore nativa do norte e oeste da Austrália procurada nestas áreas para uso de sua madeira.

Seu óleo essencial difere dos óleos de ciprestes tradicionais, até por que é obtido da madeira e não das folhas. Seu processo de destilação é demorado e pode durar até 48 horas sob temperatura e pressão controladas para não destruir moléculas sensíveis como os azulenos, que dão uma magnífica cor azul a este óleo essencial. Seus principais azulenos são o guaiol e o guaiazuleno, este último possui propriedades anti-oxidantes8, anti-asmáticas5, anti-inflamatórias, anti-piréticas6 e anti-alergênicas7 similares às do camazuleno. Além disso o guaiazuleno se mostrou eficiente no tratamento da dermatite recalcitrante22.

Quando o óleo de cipreste azul é primeiramente extraído, ele possui um teor de guaiol muito alto (26-30%). O guaiol é o componente principal responsável pelo aroma do óleo de pau santo falso (Bulnesia sarmientoi). O óleo com esta porcentagem de guaiol vem a ficar sólido em temperaturas inferiores a 18ºC. Para evitar isso, o guaiol cristalizado é separado do líquido por filtração a vacum para atingir níveis próximo de 11%. O guaiol possui propriedades antioxidantes e antimicrobiais34,35,36.

A madeira e os galhos possuem em torno de 85% de a-pineno. Para reduzir os níveis de a-pineno, na destilaria as primeiras horas das partes destiladas é descartada. Ou, alternativamente a madeira picada é deixada exposta ao ar antes de ser destilada, para parte do a-pineno evaporar para a atmosfera. Este óleo modificado se torna assim uma nota de base tendo um aroma amadeirado doce, balsâmico e herbáceo. É um excelente fixador de perfumes que mistura bem com outras notas amadeiradas, cítricas e aromas “verdes”, caindo muito bem, especialmente em perfumes masculinos. Comercialmente somente se encontra para comprar o óleo sem a-pineno e com teor de guaiol reduzido.

10451024_715441941860087_6931938884963658318_n

O cipreste azul contém também em seu óleo certa quantidade eudesmol, conhecido por sua ação antiviral1 em óleos empregados por aromaterapeutas no tratamento de verrugas e herpes. Os isômeros do eudesmol também veem sendo estudados pelo seu poder de inibição de tumores e variados tipos de câncer, seja por uma ação indutora da apoptose (morte celular) ou ação anti-angiogênese9,10,11,12,13,14,15. O guaiazuleno também mostrou ter propriedades anticancerígenas, inclusive mais fortes que as do a-humuleno (presente na sucupira) na inibição proliferativa de células tumorais com ação anti-radicais livres marcante16,17.
Mas o uso mais proeminente do b-eudesmol do óleo de cipreste azul, é no sistema nervoso. Primeiro, foi observado que o b-eudesmol possui a capacidade de induzir o crescimento de neurônios, com aumento da extensão de axônios25,26, sendo uma promissora terapêutica, de acordo com estudos, no tratamento da doença de Alzheimer26 e outras patologias associadas à perda neural.

Além disso, este componente demonstrou ter uma ação antagonista à toxidade letal induzida pelos organofosfatos (tipo de agrotóxicos) pela reversão da falência neuromuscular e redução da ocorrrência de convulsões28,29. Este resultado sugere seu potencial terapêutico no controle dos ataques epilépticos e convulsões.

O isômero a-eudesmol, mostrou ter ação neuroprotetora no AVC reduzindo o tamanho da área infartada27. Devido a reduzir a inflamação neurogênica no sistema trigêmio-vascular30, responsável pela sensibilidade na face e no crânio, o a-eudesmol mostrou-se igualmente eficiente no tratamento de variados tipos de enxaquecas.

Uma planta oriental, a Atractylodes lancea, indicada na medicina tradicional chinesa no alívio de dores musculares, contém como princípio ativo para este fim, o b-eudesmol. Foi descoberto que esta molécula, presente em consideráveis proporções no cipreste azul, é um bloqueador neuromuscular despolarizante que interrompe a transmissão do impulso nervoso na junção neuromuscular ao deprimir a liberação regenerativa de acetilcolina durante estimulação repetitiva, produzindo assim, paralisia dos músculos esqueléticos18,19,20. Além disso, o b-eudesmol mostrou aumentar o efeito da succinilcolina, droga utilizada com função bloqueadora muscular, tendo este efeito sido mais forte em animais diabéticos21.
Ao inibir a contração muscular induzida pelos nervos, o b-eudesmol promove uma ação relaxante muscular muito útil na massagem no alívio e liberação de nódulos de tensão muscular ocasionados por stress ou mecanismos inflamatórios. O cipreste azul por conter boa parcela deste composto, é desta forma um excelente óleo terapêutico para massagens.

Esta sua ação relaxante neuromuscular, ainda permite ao óleo de cipreste azul inibir localmente os nervos de contraírem os músculos faciais devido a um constante estado de tensão em pessoas estressadas, o que com o passar das semanas de uso, reduz as rugas faciais e linhas de expressão.

O b-eudesmol mostrou ter também um efeito inibidor dos receptores de dopamina e seratonina (5-HT) nos intestinos, induzindo assim a um aumento da motilidade intestinal24, mostrando potencial de uso do óleo essencial de cipreste azul no tratamento da prisão de ventre.

Ainda sobre as propriedades do b-eudesmol, este componente ativo do óleo de cipreste azul apresentou ação anti-inflamatória (com inibição da IL6)2,3, ação anti-ulcerogênica3, comprovado poder antifúngico contra micoses de pele31, propriedades hipotensoras32 e hepatoprotetoras33.

Em experiências práticas de aromaterapeutas ao redor do mundo, o cipreste azul tem demonstrado resultados muito satisfatórios no tratamento via inalação de alergias respiratórias (rinites) e de pele e parece ter uma ação imunomoduladora que responde em algumas desordens auto-imunes, como as dermatites.
Aspectos emocionais:

Este óleo atua naqueles que precisam perceber sua individualidade, valorizando-se, trabalhando a aceitação própria e sua força de vontade. Igualmente é um óleo com qualidades aterradoras, que dissolve emoções de pessimismo e agressividade (raiva). O cipreste azul produz um profundo estado de relaxamento, liberando couraças de tensão ao longo de todo o corpo, aliviando assim o estresse. Seda e tranquiliza, favorecendo a introspecção e reflexão.

Usos veterinários:

O óleo de cipreste azul ainda pode ser considerado como tendo potencial inseticida devido aos componentes b-eudesmol4 e guaiol23, contra a mosca doméstica e das frutas, ácaros e outros insetos.

Contra-indicações:

Deve-se evitar seu uso em mulheres grávidas (anti-angiogênico), pessoas com paralisia do diafragma e dificuldade respiratória (devido ao efeito bloqueador muscular do óleo), hipotensos, pessoas que tenham arritmia cardíaca e glaucoma.

1384191_715439738526974_4534535779845016818_n

CROMATOGRAFIA CIPRESTE AZUL LASZLO
Constituinte Porcentagem

β –elemeno 1.1
α – guaieno 0.7
β –chamigreno 1.7
β –selineno 3.9
Cis – β –guaieno 0.5
α- selineno 3.6
α-bulneseno 0.9
Guaiazuleno 0.1
Callitrina 1.1
Callitrisina isômero 1 0.9
Callitrisina isômero 2 1.9
Columellarina 0.4
Germacranolídeo isômero 1 0.2
Germacranolídeo isômero 2 0.1
Dihidrocolumellarina 10.3
Camazuleno 0.1
Elemol 1.7
Guaiol 15.2
γ- eudesmol 10.7
β- eudesmol 7.6
Bulnesol 12.7

Textos Fabian Laszlo
Aromatólogo e pesquisador de óleos essenciais

ÓLEO EM BREVE À VENDA NA

PRIA
Sua Saúde Natural!
www.pria.com.br

Copyright©: Este artigo pode ser reproduzido em sites e blogs na internet desde que citado nome do autor e contato.

Referências:

1. Astani A, et al.Screening for antiviral activities of isolated compounds from essential oils. Evid Based Complement Alternat Med. 2011;2011:253643.
2. Seo MJ, et al. The regulatory mechanism of β-eudesmol is through the suppression of caspase-1 activation in mast cell-mediated inflammatory response. Immunopharmacol Immunotoxicol. 2011 Mar;33(1):178-85.
3. Sghaier MB et al. Anti-inflammatory and antiulcerogenic activities of leaf extracts and sesquiterpene from Teucrium ramosissimum (Lamiaceae). Immunopharmacol Immunotoxicol. 2011 Dec;33(4):656-62.
4. Chu SS et al. Insecticidal compounds from the essential oil of Chinese medicinal herb Atractylodes chinensis. Pest Manag Sci. 2011 Oct;67(10):1253-7.
5. BLAZSO S. Further results with chamazulene in the treatment of asthmatic diseases in infancy and childhood. Schweiz Med Wochenschr. 1951 Feb 3;81(5):110-1.
6. Horakova Z. Antipyretic action of chamazulene. Chekh Fiziol. 1952;1(3):195-204.
7. Mitolo Gr.Camazulene in allergic diseases. I. Experimental study on the toxic effects and histamine and serum shock in guinea pigs. Minerva Pediatr. 1954 Nov 30;6(22):918-22.
8. Dovolou E et al. Effects of guaiazulene on in vitro bovine embryo production and on mRNA transcripts related to embryo quality. Reprod Domest Anim. 2011 Oct;46(5):862-9.
9. Bomfim DS, et al. Eudesmol isomers induce caspase-mediated apoptosis in human hepatocellular carcinoma HepG2 cells. Basic Clin Pharmacol Toxicol. 2013 Nov;113(5):300-6.
10. Li Y, et al. β-Eudesmol induces JNK-dependent apoptosis through the mitochondrial pathway in HL60 cells. Phytother Res. 2013 Mar;27(3):338-43.
11. Yang H, et al. Cytotoxic terpenoids from Juglans sinensis leaves and twigs. Bioorg Med Chem Lett. 2012 Mar 1;22(5):2079-83.
12. Ma EL, et al. Beta-eudesmol suppresses tumour growth through inhibition of tumour neovascularisation and tumour cell proliferation. J Asian Nat Prod Res. 2008 Jan-Feb;10(1-2):159-67
13. Tsuneki H, et al. Antiangiogenic activity of beta-eudesmol in vitro and in vivo. Eur J Pharmacol. 2005 Apr 11;512(2-3):105-15.
14. Ben Sghaier M et al. Flavonoids and sesquiterpenes from Tecurium ramosissimum promote antiproliferation of human cancer cells and enhance antioxidant activity: a structure-activity relationship study. Environ Toxicol Pharmacol. 2011 Nov;32(3):336-48.
15. Britto AC et al. In vitro and in vivo antitumor effects of the essential oil from the leaves of Guatteria friesiana. Planta Med. 2012 Mar;78(5):409-14.
16. Vinholes J et al. Assessment of the antioxidant and antiproliferative effects of sesquiterpenic compounds in in vitro Caco-2 cell models. Food Chem. 2014 Aug 1;156:204-11.
17. Fiori J, et al. Cytotoxic activity of guaiazulene on gingival fibroblasts and the influence of light exposure on guaiazulene-induced cell death. Toxicol In Vitro. 2011 Feb;25(1):64-72.
18. Chiou LC, et al. Antagonism by beta-eudesmol of neostigmine-induced neuromuscular failure in mouse diaphragms. Eur J Pharmacol. 1992 Jun 5;216(2):199-206.
19. Kimura M et al. Mechanism of the blocking action of beta-eudesmol on the nicotinic acetylcholine receptor channel in mouse skeletal muscles. Neuropharmacology. 1991 Aug;30(8):835-41.
20. Nojima H et al. Blocking action of succinylcholine with beta-eudesmol on acetylcholine-activated channel activity at endplates of single muscle cells of adult mice. Brain Res. 1992 Mar 20;575(2):337-40.
21. Kimura M, et al. Structural components of beta-eudesmol essential for its potentiating effect on succinylcholine-induced neuromuscular blockade in mice. Biol Pharm Bull. 1994 Sep;17(9):1232-40.
22. J Matern Fetal Neonatal Med. 2013 Jan;26(2):197-200.
Guaiazulene: a new treatment option for recalcitrant diaper dermatitis in NICU patients.
23. Liu T et al. Guaiol–a naturally occurring insecticidal sesquiterpene. Nat Prod Commun. 2013 Oct;8(10):1353-4.
24. Kimura Y, Sumiyoshi M. Effects of an Atractylodes lancea rhizome extract and a volatile component β-eudesmol on gastrointestinal motility in mice. J Ethnopharmacol. 2012 May 7;141(1):530-6.
25. Obara Y, et al. Beta-eudesmol induces neurite outgrowth in rat pheochromocytoma cells accompanied by an activation of mitogen-activated protein kinase. J Pharmacol Exp Ther. 2002 Jun;301(3):803-11.
26. Obara Y. Development of anti-dementia drugs related to neurotrophic factors. Yakugaku Zasshi. 2006 Sep;126(9):747-55.
27. Asakura K et al. omega-agatoxin IVA-sensitive Ca(2+) channel blocker, alpha-eudesmol, protects against brain injury after focal ischemia in rats. Eur J Pharmacol. 2000 Apr 7;394(1):57-65.
28. Chiou LC et al. beta-Eudesmol as an antidote for intoxication from organophosphorus anticholinesterase agents. Eur J Pharmacol. 1995 Jan 13;292(2):151-6.
29. Chiou LC, et al. Chinese herb constituent beta-eudesmol alleviated the electroshock seizures in mice and electrographic seizures in rat hippocampal slices. Neurosci Lett. 1997 Aug 15;231(3):171-4.
30. Asakura K et al. alpha-eudesmol, a P/Q-type Ca(2+) channel blocker, inhibits neurogenic vasodilation and extravasation following electrical stimulation of trigeminal ganglion. Brain Res. 2000 Aug 4;873(1):94-101.
31. Aguilar-Guadarrama B, et al. Active compounds against tinea pedis dermatophytes from Ageratina pichinchensis var. bustamenta. Nat Prod Res. 2009;23(16):1559-65.
32. Arora CK, et al. Hypotensive activity of beta-eudesmol and some related sesquiterpenes. Indian J Med Res. 1967 May;55(5):463-72.
33. Kiso Y, et al. Antihepatotoxic principles of Atractylodes rhizomes. J Nat Prod. 1983 Sep-Oct;46(5):651-4.
34. Processes for obtaining (-)-guaiol and the use thereof US 7071366 B2 http://www.google.com/patents/US7071366 (visitado em outubro de 2014)
35. D. P. Grettie. Gum guaiac—A new anti-oxidant for oils and fats. July 1933, Volume 10, Issue 7, pp 126-127
36. Choudhary, Muhammad Iqbal et al. Microbial Transformation of (−)-Guaiol and Antibacterial Activity of Its Transformed Products. J. Nat. Prod., 2007, 70 (5), pp 849–852