Alimentos para reativar sua glândula pineal: Nutrição para o olho da mente

Pineal gland in the brain, artwork

O olho da mente, cientificamente conhecido como a glândula pineal, é considerado a porta de entrada para os níveis mais elevados de consciência, no caso de você não estar ciente a glândula pineal é uma glândula endócrina em forma de uma pequena pinha no cérebro que produz e secreta o hormônio melatonina, acredita-se também que a glândula pineal seja responsável pela liberação de Dimetiltriptamina (DMT), a glândula pineal é o “princípio da sede da alma”, segundo Descartes, como você pode ver esta glândula tem muitas funções tanto física como metafisicamente, assim mantê-la funcionando em todo o seu potencial deve ser uma prioridade de todos os que procuram uma mente saudável.
À medida que envelhecemos a glândula pineal começa a se calcificar e tornar-se lenta, esta taxa varia consideravelmente por pessoa e estilo de vida, mas o consumo de quantidadesexcessivas de flúor é considerado um fator de risco, isto é em parte porque o fluoreto se acumula em quantidades extremamente altas na glândula pineal causando sua calcificação mais rapidamente, o flúor também pode diminuir a produção de melatonina, duas coisas que certamente não queremos que aconteça, a pesquisa mostrou que esta calcificação da glândula pineal tem uma forte correlação no desenvolvimento da doença de Alzheimer (Mercola 2011), uma dieta pobre carregada de conservantes, açúcar branco, refrigerantes, GMO, produtos químicos e pesticidas é um importante fator de risco para a calcificação e seu envelhecimento precoce também.
O que podemos fazer para combater o processo de envelhecimento e calcificação da glândula pineal ?
Devemos comer uma dieta livre de conservante / química , que seja rica em gorduras saudáveis​​, deve ser um acéfalo (trocadilho intencional), mas o que mais podemos fazer ?

Cortar o uso do flúor

Enquanto você não corta-los completamente você pode reduzir drasticamente os níveis que consome, para fazer isso deve filtrar adequadamente à água da torneira antes de beber uma vez que muitas comunidades têm abastecimento de água que é adicionado flúor, para conseguir isso você precisa usar um filtro que retire o flúor (cuidado com o filtro por osmose reversa ele também retira todos os minerais da água “matando-a”), ou comprando água engarrafada que indica a não adição de flúor de água de nascentes, você também pode mudar para um creme dental sem flúor, muitos tipos de pasta dentais naturais podem ajudar na prevenção da cárie dentária, além de não intoxicá-lo com flúor.

Tome vinagre de maçã

Vinagre de maçã é rico em ácido málico tornando-se um grande tônico para desintoxicar o corpo todo incluindo a glândula pineal, o vinagre de maçã tem uma longa lista de benefícios e pode ajudar a tornar o corpo mais alcalino (isso é uma coisa muito boa), tente tomar uma colher de sopa 3 vezes ao dia ou experimente adicioná-lo no suco de limão com mel, sente-se, saboreie e colha os benefícios.

Coma alimentos ricos em iodo

Coma alimentos ricos em iodo como algas marinhas, outros alimentos como cranberry, feijão verde, couve, brócolis, folhas verdes escuras, banana, camarão e lagosta também são ricos em iodo, esta é uma lista muito curta, incompleta, você pode ajustá-la para atender às suas necessidades e estilo de vida, não só a função de apoio do iodo para a tireoide, mas também é importante para a glândula pineal, o iodo ajuda a remover o flúor do corpo que como discutido acima é muito tóxico, o iodo pode ser prejudicial em níveis super altos por isso se você optar por usar em forma de suplemento considere o uso de uma forma solúvel em água como Iosol, para evitar o risco de excesso ao consumi-lo.

Coma cacau cru

Cacau cru orgânico é rico em antioxidantes que combatem os radicais livres e mantêm o nosso cérebro saudável, isso também pode ajudar a estimular o olho da mente(pineal) ajudando a desintoxicá-la, além disso quem não gosta de chocolate ?

Coma óleo de coco

O óleo de coco(extra virgem prensado a frio) nutre todo o corpo até mesmo a pele e o cabelo, mas a sua maior vantagem é que ele nutre o cérebro e desintoxica a glândula pineal, o óleo de coco é rico em triglicérides de cadeia média que são convertidos em cetonas no fígado, foi comprovado que as cetonas restauram os neurônios e a função dos nervos no cérebro (Mercola 2013), esta é uma grande notícia para reverter os danos no cérebro e pode até mesmo fornecer um avanço na pesquisa da doença de Alzheimer.

Experimente estas ervas

Gotu Kola nutre todo o cérebro e a glândula pineal, brotos de alfafa e de Salsa ajudam a energizar a glândula pineal, todas estas ervas (e muitas outras) ajudam a estimular e desintoxicar a glândula pineal, tente adicionar o broto de a salsa e de alfafa generosamente quando cozinhar para um impulso extra do cérebro !

Pare de usar óculos de sol

Será que isso chamou a sua atenção ? Bem deixe-me explicar, a luz refletida pela retina estimula a glândula pineal, nossos olhos precisam ser expostos à luz solar indireta diariamente (a qualquer uma célula ganglionar fotossensível), se você for usar óculos de sol certifique-se de tira-los pelo menos por um curto intervalo de tempo diariamente, isso também nos fornece vitamina D que é muito importante para a saúde e equilibra o cérebro ajudando a combater a depressão.
Claro que existem várias outras maneiras maravilhosas para promover a saúde dos olhos da mente, como foi dito, isso não é de forma alguma uma lista completa, é sempre bom verificar com um médico fitoterapeuta, especialmente se você tiver algum problema de saúde se for tomar suplementos, agora vá em frente nutrir o olho da sua mente!

fonte: http://verdademundial.com.br/2014/08/alimentos-para-reativar-sua-glandula-pineal-nutricao-para-o-olho-da-mente/

so_pria

Sua Saúde Natural!
www.pria.com.br

NEUROTOXIDADE DO FLÚOR E CALCIFICAÇÃO DA PINEAL 

150711_743096845761263_6076230685165518684_n

Variados estudos têm demonstrado o impacto que o flúor possui na glândula pineal, promovendo sua calcificação, atrofia e inibindo a produção dos hormônios seratonina, melatonina e pinolina. Em uma pesquisa, mais de 60% dos americanos acima de 50 anos de idade já apresentam a glândula com severas calcificações. Tais pesquisas demonstram um efeito devastador deste problema sobre a saúde da humanidade atual em todo o planeta. A maior fonte de flúor não é nem as pastas de dentes, mas a água que bebemos. Toda a água brasileira, mineral ou que vem pelos canos é obrigatoriamente fluoretada.

FOTOS: mostram imagens da glândula pineal calcificada ou de cristais nas células da pineal.

1604684_743098215761126_8600048738185943024_n 10802060_743099969094284_4483901275275769000_n 1533906_743098499094431_5843082859505347255_n 10494314_743099829094298_1403627761110363163_o

Leia mais e as referências científicas nestes links abaixo:
http://fluoride-class-action.com/wp-content/uploads/osmunson-fda-petition-review-Appendix_AA_Pineal_Gland_Damage.pdf
http://www.healthymoneyvine.com/support-files/fluoride_and_the_pineal_gland.pdf
http://www.icnr.com/articles/fluoride-deposition.html

PRIA
Sua Saúde Natural!
www.pria.com.br

Manjericão Santo remove flúor da água e beneficia a glândula pineal

10394619_738503292887285_9208692298334991115_n

Uma planta chamada Tulsi, ou Manjericão Santo (Ocimum tenuiflorum), que cresce por toda a Índia pode ser apenas outra resposta para retirar o flúor da água em países pobres em todo o mundo. Cientistas da Universidade de Rajasthan descobriram que o Tulsi pode substituir algumas das alternativas mais caras para a remoção de flúor.

Os investigadores conduziram o experimento em uma aldeia de Narketpally, imergindo 75 mg de folhas de manjericão santo em 100ml de água que tinha mais de 7 partes de flúor por milhão de água. Após a imersão das folhas em água durante apenas 8 horas, o flúor foi reduzido para apenas 1,1 partes por milhão. A Organização Mundial de Saúde diz que os níveis “seguros” de flúor na água não são mais do que uma parte por milhão.

Com a recente admissão da Universidade de Harvard que o flúor é ruim para a saúde, e as notícias continuadamente apontam para o flúor sendo responsável por esgotar a capacidade do cérebro causando déficit de atenção, ou mesmo calcificando a glândula pineal, (que inibe importantes secreções hormonais como a melatonina e serotonina, e DMT), é uma notícia maravilhosa de que um remédio tão simples foi encontrado.

Alguns perigos do flúor

Como mencionado, o flúor tem sido associado a diversas consequências para a saúde, e por uma boa razão: é tóxico.

Um estudo de Harvard explica: “As crianças em áreas de alta quantidade de flúor tinham significativamente menor QI do que aqueles que viviam em áreas de baixa quantidade de flúor”.

A EPA teve declarações semelhantes, demonstrando como o flúor apresenta “evidência de neurotoxicidade de desenvolvimento” e pode danificar os bebês em gestação. “O flúor atravessa facilmente a placenta. A exposição ao flúor para o cérebro em desenvolvimento, que é muito mais suscetível a danos causados por substâncias tóxicas do que o cérebro maduro, pode, eventualmente, levar a danos de natureza permanente”.

Um documento intitulado Fluride – A Modern Toxic Waste diz o seguinte: documentos de uma pesquisa mostram que o flúor aumenta a taxa de crescimento do tumor [de câncer] em 25% em apenas 1 ppm, produz tumores melanóticos, transforma células normais em células cancerosas e aumenta a carcinogênese de outros produtos químicos.

Foi mostrado em 1977 que a fluoretação da água provoca cerca de 10.000 mortes por câncer em estudos epidemiológicos por Dr. Dean Burk, o ex-chefe da Seção de citoquímica no Instituto Nacional do Câncer e Yiamouyiannis.

Para os países pobres, o uso de Tulsi para a purificação de água é o ideal, mas também para as nações “civilizadas” que colocam flúor na água potável, para começar. Talvez possamos ignorar os filtros de água mais caros e usar a natureza em seu lugar.

Agora, se pudermos descobrir como remover o cloro, pesticidas e outros resíduos tóxicos, com uma planta, isso seria precioso. Opções além da compra de um sistema de osmose reversa seria tão benéfico como folhas de Tulsi, uma vez que até mesmo plantas de casa tendem a crescer melhor em água sem cloro em si, e os peixes definitivamente não gostam do produto químico. Se folhas de Tulsi fazem isso com o flúor, não há porque não ter outra planta na cornucópia da natureza que possa ajudar com outras toxinas.

http://noticias-alternativas.blogspot.com.br/2013/04/manjericao-santo-remove-fluor-da-agua-e.html

A Pria possui óleo essencial de manjericão santo!

MANJERICÃO SANTO (TULASI)

Este mês recebemos um dos óleos essenciais mais preciosos na Índia, o óleo de Tulasi, também chamado de tulsi. Em verdade, este óleo essencial é obtido de uma variedade de manjericão, conhecida como “Majericão Santo” (Ocimum sanctum).

Este planta possui óleos essenciais quimiotipados e o que obtemos possui um excelente perfume, advindo da união de fenóis e sesquiterpenos. Apesar do eugenol presente neste óleo, o odor de cravo não predomina. Ele possui grande potencial antiinflamatório, analgésico, e antisséptico.

Na Índia, o Tulasi é uma planta universalmente apreciada por yogis, místicos e santos de várias tradições espirituais. A Tulasi é adorada à uma tradição ancestral escrita há mais de 5000 anos atrás. Há muitas referências a esta planta sagrada através dos Vedas, conhecidos como os mais antigos escrituras existentes. Suas flores, folhas e madeira são parte integral da vida e adoração indiana. Nenhuma oferenda é considerada completa sem flores ou folhas de Tulasi, e a madeira é cuidadosamente queimada para a confecção de colares e “japa mala”, contas de meditação usadas para a contagem de mantras e orações.

Tulasi é compreendida como a encarnação em forma de planta da deusa Vrindadevi. Ela incorpora a beleza da flora e da fauna do último ser da floresta espiritual, Vrindavana. Ela aparece nesse mundo através desta planta, e suas folhas podem ser usadas para se ofertar a Krishna.

Tulasi é simples em todos os sentidos. Simples ao se ver, simples ao se tocar, simples ao ser relembrada, simples ao se ouvir dela, ou simples ao se assoprar sua árvore, há sempre simplicidade. Qualquer um que se encontra com a árvore Tulasi nas formas mencionadas acima vive eternamente no mundo espiritual. Purificando o corpo, mente e emoções, os grânulos de Tulasi sempre podem ser vistos ao redor dos pescoços de yogis sérios e místicos na Índia. Em praticamente todo templo da Índia há um lugar especial reservado a esta planta sagrada.

“Se em algum lugar uma pessoa semea uma árvore de Tulasi, essa certamente se tornara devota ao Sr Krisna. E Quando as folhas da Tulasi forem oferecidas aos Pés de Lotus de Krisna, terá total desenvolvimento do amor pela Suprema Personalidade de Deus.” Skanda Purana

“Aquele que faz todo o trabalho como uma oferenda para Deus – abandonando o apego egoísta aos resultados – fica intocado pelas reações kármicas, ou pecados, exatamente como uma flor de lótus jamais é molhada pela água (5.10). Ofereça-Me uma folha, uma flor, um fruto ou água com devoção, eu aceitarei e provarei a oferenda da devoção pelo coração puro (9.26).”
Bhagavad Gita

PRIA
Sua Saúde Natural!
www.pria.com.br

Curcumina. Importante componente do açafrão-da-terra impede que o flúor destrua seu cérebro

Turmeric-Root-and-Powder-1024x666

Conhecido por muitos nomes, açafrão-da-terra, cúrcumã e turmérico, esse incrível tempero tem um componente muitíssimo valioso: a curcumina!

Na Laszlo o encontramos no absoluto de turmérico e tb na minha sinergia favorita: o Oxyclean.

Leia no texto mais uma das incríveis ações que a curcumina faz em nosso organismo.

flúor é hoje encontrado em toda parte, desde antibióticos à água potável,  panelas antiaderentes, pasta de dente, tornando a exposição a esta substância tóxica inevitável. Mais uma razão para que a nova pesquisa comprovando que este tempero comum pode evitar danos do flúor seja tão promissora!

A neurotoxicidade do flúor tem sido objeto de debate acadêmico durante décadas, e agora é uma questão de controvérsia cada vez mais exaltada entre o público em geral também. Desde “teorias da conspiração” sobre ele ter sido usado pela primeira vez em água potável em campos de concentração russos e nazistas à lobotomia química em prisioneiros, de suas agora bem conhecidas propriedades de diminuir o QI, à sua capacidade de aumentar a  calcificação da glândula pineal  – o tradicional “assento da alma”- muitos ao redor do mundo, e cada vez mais nas regiões fortemente fluoretadas dos Estados Unidos, estão começando a se organizar em nível local e estadual  para derrubar este onipresente tóxico da água potável.

Agora, um novo estudo publicado na Pharmacognosy Magazine, intitulado “A curcumina atenua a neurotoxicidade induzida pelo flúor: Uma evidência in vivo“, adiciona suporte experimental para a suspeita de que o flúor é na verdade uma substância prejudicial ao cérebro, revelando ainda que um agente natural  derivado do Curry, o tempero natural, protege contra os vários efeitos danosos sobre a saúde associados com este composto tóxico.

O estudo é de autoria de pesquisadores do Departamento de Zoologia da Universidade College of Science, ML Sukhadia University, Udaipur, na Índia, que passaram a última década investigando os mecanismos pelos quais o flúor induz mudanças neurodegenerativas graves no cérebro de mamíferos, particularmente em células de hipocampo e córtex cerebral . [i]  [ii]

O estudo começa por descrever o cenário histórico sobre a preocupação com a toxicidade significativa e abrangente do flúor:

O flúor (F) é provavelmente o primeiro íon inorgânico que chamou a atenção do mundo científico por seus efeitos tóxicos e agora a toxicidade do Flúor através da água potável é bem reconhecida como um problema global. Os relatórios do efeito sobre a saúde em matéria de exposição ao flúor também incluem vários tipos de câncer, atividades reprodutivas adversas, cardiovasculares e doenças neurológicas. [1,2] ”

Unknown

O estudo focou na neurotoxicidade induzida pelo flúor, identificando a excitoxicidade (estimulação do neurônio ao ponto de morte) e o estresse oxidativo como os dois principais fatores de neurodegeneração (degeneração dos neurônios). Tem sido observado que os pacientes com a condição conhecida como fluorose, manchas no esmalte dos dentes causadas por exposição excessiva ao flúor durante o desenvolvimento dos dentes, têm também mudanças neurodegenerativas associadas com uma forma de estresse oxidativo conhecido como peroxidação lipídica (rancidez). O excesso de peroxidação lipídica no cérebro pode levar a uma diminuição no conteúdo total de fosfolípido no cérebro. Devido a estes mecanismos conhecidos do fluoreto associado à neurotoxicidade e neurodegeneração, os pesquisadores identificaram o polifenol primário na especiaria cúrcuma (usado no Curry) – conhecido como curcumina – como um agente ideal que vale a pena ser testado como uma substância neuroprotetora. As pesquisas anteriores sobre a curcumina indicam que ele é capaz de se ativar como um antioxidante em três formas distintas pela proteção contra: 1) o oxigênio singlete 2) radicais hidroxila e 3) os danos dos radicais superóxidos. Além disso, a curcumina parece aumentar a produção de glutationa endógena no cérebro, um importante sistema de defesa antioxidante.

A fim de avaliar os efeitos neurotóxicos do flúor e provar o papel protetor da curcumina contra ela, os pesquisadores dividiram aleatoriamente os ratos em quatro grupos, por 30 dias:

1 – Controle (sem flúor)

2 – Flúor (120 ppm): o flúor foi dado na água de destilada e água potável, sem restrições.

3 – Flúor (120 ppm/30 mg/kg de peso corporal) + curcumina: uma dose oral de curcumina dissolvida em azeite junto com fluoreto na água potável

4 – Curcumina: (30 mg/kg de peso corporal)

A fim de determinar o efeito do tratamento, os pesquisadores mediram o teor de malondialdeído (MDA) nos cérebros dos diferentes ratos tratados. O MDA é um marcador bem conhecido do dano do stress/dano oxidativo.

Como era de esperar, o flúor (F) como único tratamento de grupo apresentou significativamente elevados níveis de MDA contra o grupo de controle tratado sem flúor. O grupo flúor + curcumina compreendeu níveis reduzidos de MDA comparado com o grupo que recebeu apenas flúor, demonstrando atividade neuroprotetora da curcumina contra a neurotoxicidade associada ao flúor.

O estudo concluiu que:

Nosso estudo, portanto, demonstra que a dose única diária de 120 ppm de flúor resulta em aumentos muito significativos no POT [peroxidação lipídica, ou seja, a rancidez do cérebro], bem como alterações neurodegenerativas em neurônios de regiões selecionadas do hipocampoA suplementação com curcumina reduz significativamente o efeito tóxico do flúor para perto do nível normal, aumentando a defesa antioxidante através da sua propriedade depuradora e proporcionando uma evidência de ter função terapêutica contra a neurodegeneração do stress oxidativo medido“.

Discussão

Isto está longe de ser o primeiro estudo a demonstrar as notáveis ​​propriedades de preservação cerebral da curcumina. Do ponto de vista da pesquisa primária isolada, há  mais de duzentos trabalhos de revisão por pares publicados, indicando que a curcumina é um agente neuroprotetor. Em nosso próprio banco de dados sobre a cúrcuma, temos 115 artigos que provam essa afirmação: a cúrcuma protege o cérebro. Temos também exposto estudos sobre a capacidade da cúrcuma em proteger e restaurar o cérebro:

Como cúrcuma pode salvar o envelhecimento cerebral da demência e morte prematura (inglês)

Cúrcuma Produz ‘notável’ recuperação em pacientes de Alzheimer (inglês)

Considerando os muitos insultos químicos que enfrentamos diariamente no mundo pós-industrial, a cúrcuma pode muito bem ser a erva mais importante do mundo, com mais de 600 aplicações na saúde baseadas em evidências.

Referências:

[I]  Bhatnagar M, P Rao, Saxena A, Bhatnagar R, Meena P, Barbar S. As mudanças  bioquímicas no cérebro e outros tecidos de ratos adultos jovens do sexo feminino a partir do flúor na sua água potável. Flúor. 2006; 39: 280-4. [lista de Ref]

[Ii]  Bhatnagar M, Sukhwal P, Suhalka P, Jain A, C Joshi, Sharma D. Os efeitos de flúor na água potável sobre os neurônios diaforase NADPH na parte frontal do cérebro de camundongos: Um possível mecanismo de neurotoxicidade do flúor. Flúor. 2011; 44: 195-9. [lista de Ref]

Fontes:

– The Mind Unleashed: The Spice That Prevents Fluoride From Destroying Your Brain
– [ESTUDO] NCBI: Curcumin attenuates neurotoxicity induced by fluoride: An in vivo evidence
– GreenMedInfo: How Turmeric Can Save the Aging Brain From Dementia and Premature Death
– GreenMedInfo: Turmeric Produces ‘Remarkable’ Recovery in Alzheimer’s Patients

Leia mais: http://www.noticiasnaturais.com/2014/11/curcumina-curry-o-tempero-que-impede-que-o-fluor-destrua-o-seu-cerebro/#ixzz3In8AZrFs

PRIA

Sua Saúde Natural!

As 4 Toxinas Mais Perigosas para o Cérebro

Imagem

Uma mente saudável é uma coisa terrível de se perder, mas devido a produtos químicos sintéticos, a ameaça de destruição da função cerebral está sempre presente. Estes são, potencialmente, os criminosos mais ofensivos para a mente, mas a boa notícia é que existem maneiras fáceis de evitá-los.

Flúor

A decisão de adicionar flúor para a maioria dos sistemas de água potável pública como uma forma de combater a cárie dentária, possivelmente teve o efeito mais insidioso e generalizado sobre os cérebros das pessoas em todo os EUA e muitos outros países como o Brasil.

A Fluoride Action Network (FAN) relatou em um estudo que constatou que o flúor está ligado ao QI mais baixo, mesmo com as faixas adicionadas ao abastecimento de água nos Estados Unidos. Ao todo, a FAN disse agora que 34 estudos associam o flúor com a diminuição dos níveis de QI em humanos, enquanto muitos outros estudos ligam o flúor à aprendizagem e perda de memória, danos ao cérebro fetal e função neurocomportamental alterada.

Um estudo patrocinado pela UNICEF constatou que o QI foi reduzido em apenas 0,88 mg por litro de flúor, um nível que é considerado dentro da faixa ideal e é adicionado aos sistemas norte-americanos de água potável que atendem mais de 200 milhões de americanos todos os dias.

A remoção do flúor de seu abastecimento de água é muitas vezes tão simples como a instalação de um filtro de água de alta qualidade.

No Brasil, a Lei no 60507 de 24 de maio de 1974 regulamentou a prática da fluoretação da água. Esta lei afirma no seu artigo 1:

“Os projetos destinados à construção ou à ampliação de sistemas públicos de abastecimento de água, onde haja estação de tratamento, devem incluir previsões e planos relativos a fluoretação da água, de acordo com os requisitos e para os fins estabelecidos no regulamento desta Lei;”

Segundo a Portaria no. 635 de 26 de dezembro de 1975, a concentração de fluor na água deverá variar entre 0,6 até 1,7 mg/l, dependendo da temperatura média diária.

Leia também:
 [FILME] A Farsa do Flúor – (The Fluoride Deception)
– Estudo: Exposição ao Flúor pode Reduzir a Inteligência das Crianças
– Estudo da Universidade Harvard Relaciona o Flúor na Água com o Autismo, Desordens Mentais e TDAH

Metais pesados

Os metais pesados ​​são toxinas especialmente sinistras que não são facilmente removidas, mas são comuns nos corpos e cérebros de milhões graças à vacinas, procedimentos odontológicos, produtos químicos agrícolas, a poluição industrial, peixe, frango e muito mais.

Aqueles mais suscetíveis ao dano cerebral traumático devido ao mercúrio são os recém-nascidos que ainda têm de desenvolver adequadamente sua barreira hematoencefálica e são geralmente submetidos a um intenso programa de vacinação que injeta mercúrio diretamente em seus corpos. Em bebés com uma susceptibilidade genética, tais como um defeito de enzimas responsáveis ​​pela desintoxicação de metais pesados, exposição ao mercúrio pré-natal e pós-natal leva a danos neurológicos, resultando em sintomas de autismo.

Robert Nash, MD, também sugere que os efeitos tóxicos do mercúrio podem causar um amplo espectro de doenças relacionadas com o cérebro, incluindo o autismo, Alzheimer, esclerose lateral amiotrófica, esclerose múltipla, mal de Parkinson e doenças do neurodesenvolvimento.

Para garantir que você não sofra qualquer futura intoxicação por metais pesados, evite a vacina contra a gripe, obturações com mercúrio e produtos químicos, e tome as precauções de segurança ao consumir frutos do mar.

Leia também: [ÁGUA TÓXICA] Até 13 metais pesados, 13 solventes, 22 agrotóxicos e 6 desinfetantes na água que você bebe

Adoçantes artificiais

A ânsia por adoçantes com zero calorias produziu o advento de adoçantes artificiais e os seus efeitos negativos sobre o cérebro têm sido bem documentados. Eles são encontrados em refrigerantes, iogurtes, gomas de mascar, molhos de cozinha, adoçantes de mesa, água com sabor, cereais e produtos sem açúcar.

O aspartame é uma combinação de produtos químicos, ou seja ácido aspártico (um aminoácido com efeitos excitatórios sobre as células do cérebro), metanol e fenilalanina, e os cientistas estão os colocando no topo da lista de substâncias consideradas tóxico. Quando o aspartame se decompõe, produz um composto que é uma poderosa substância química causadora de tumor cerebral.

Noventa diferentes sintomas têm sido documentados como resultado do consumo de aspartame, incluindo ataques de ansiedade, fala atrapalhada, depressão e enxaquecas.

Evite adoçantes artificiais lendo os ingredientes e evitando os produtos acima. A FDA  recentemente também aprovou o chamado aspartame AminoSweet, então cuidado com esse ingrediente também. Não se deixe enganar pelos adoçantes contendo sucralose, uma vez que estudos mostraram que ele tem efeitos neurotóxicos.

Leia também: [ASPARTAME] Documentário: Doce Miséria: Um Mundo Envenenado

Glutamato monossódico (GMS)

O GMS é uma forma de sal concentrado adicionado aos alimentos para realçar o sabor. Foi usado pela primeira vez em rações militares para dar-lhes um sabor melhor, mas logo foi adotado por toda a indústria alimentícia.

Dr. Blaylock, um notável neurocirurgião e perito em excitotoxinas como o GMS, descobriu que haviam danos silenciosos ao cérebro, e com o tempo ele viu a destruição de grandes porções do cérebro que poderiam causar a doença de Alzheimer, o mal de Parkinson e outras doenças cerebrais.

Leia também:
 Glutamato Monossódico (GMS) – Ligado a Ganho de Peso e Obesidade
– Glutamato Monossódico (GMS): O Sabor Que Mata

A melhor maneira de evitá-lo é parar de comer alimentos processados, ou procurá-lo nos ingredientes, principalmente como o glutamato monossódico ou extrato de levedura .

 

post original: http://www.noticiasnaturais.com/2014/06/as-4-toxinas-mais-perigosas-para-o-cerebro/