ESTUDO MOSTRA QUE O CONSUMO DE REFRIGERANTE ACELERA O PROCESSO DE ENVELHECIMENTO ENCURTANDO TELÔMEROS

Segundo a pesquisa, publicada no ‘American Journal of Public Health’, as pessoas que bebem refrigerante com frequência têm menos telômeros (pedaços de DNA que protegem as pontas dos cromossomos) nos glóbulos brancos.

Segundo a publicação, os telômeros afetados são diretamente relacionados com a ocorrência de doenças relacionadas a idade, como câncer, diabetes e problemas cardíacos. O efeito seria similar ao causado pelo cigarro ou pelo sedentarismo no organismo humano. Além disso, os pesquisadores calcularam que beber 500 ml de refrigerante diariamente resulta em um envelhecimento de 4,6 anos na idade biológica.

“O consumo regular de refrigerantes adocicados pode influenciar o desenvolvimento de doenças, não apenas por impactar negativamente o metabolismo, mas por acelerar o envelhecimento das células”, disse Elissa Epel, professora da Universidade da Califórnia e principal autora do estudo.

Os resultados foram semelhantes em todos os pacientes testados, independentemente de idade, raça, renda ou nível de instrução.

Fonte:
http://longidade.blogspot.com.br/2014/10/estuda-mostra-que-o-consumo-de.html
http://info.abril.com.br/noticias/ciencia/2014/10/beber-refrigerante-pode-destruir-dna-diz-estudo.shtml

Estudo original: Soda and Cell Aging: Associations Between Sugar-Sweetened Beverage Consumption and Leukocyte Telomere Length in Healthy Adults From the National Health and Nutrition Examination Surveys – http://ajph.aphapublications.org/doi/abs/10.2105/AJPH.2014.302151?journalCode=ajph&
so_pria

Sua Saúde Natural!
www.pria.com.br

SOPA DE ABÓBORA COM ÓLEO DE PATCHOULI

10873642_760898427314438_4179549948930722078_o

O patchouli, é usado frequentemente em sabonetes e cosméticos que tem as propriedades de rejuvenescer peles secas e envelhecidas, e também funciona como um desodorante, pois consegue mascarar o odor do suor. Ambos o óleo e as folhas são usados em conjunto, pois as folhas adicionam uma textura e fragrâncias únicas para a mistura. Esse óleo é conhecido por ter ativos fixadores e acredita-se que suas propriedades olfativas e terapêuticas melhoram com o envelhecimento do óleo, assim como um bom vinho. O Patchouli é pouco usado como erva medicinal, pois seu uso pode causar perda de apetite, do sono e até causar “ataques nervosos”. Mas, no entanto, algumas culturas orientais estimam muito o patchouli como um grande profilático.

Os Aromaterapeutas consideram o patchouli também como um afrodisíaco, baseado nas crenças de que o aroma do mesmo estimula as glândulas pituitárias a liberarem endorfina, um hormônio que alivia a dor, estimula a euforia e também o desejo sexual. Patchouli é recomendado para uso externo em tratamento de ansiedade em doses bem pequenas, pois em excesso tem efeito sedativo. Na indústria e na culinária, o patchouli também tem aplicações. As folhas frescas de P. cablin são usadas como tempero e as folhas secas de P. heyneanus (A espécie menos aromática entre as duas) são usadas para dar sabor a uma bebida alcoólica. O óleo extraído de P. cablin dá sabor a gomas de mascar, produtos assados e doces, enquanto o óleo de P. heyneanus é usado na composição de tinta indiana.

Sopa de Abóbora com Patchouli

Essa receita única e maravilhosa é a preferida e vai dar o que falar em suas festas de Outono e Halloween. Saboreie essa delícia tradicional com um toque essencial.

Ingredientes:

½ Abóbora-menina grande, descascada e cortada em cubos. (Aprox. 2 xícaras)
1 Copo de purê de abóbora (250mL)
3 tabletes de caldo caldo Knorr (legumes, frango ou outro)
½ Xícara de creme de leite
2 Colheres de sopa de Manteiga sem sal
2 Colheres de sopa de Azeite de oliva extra virgem
1 Cebola grande picada bem fininha
12 Gotas de Óleo Essencial de Patchouli
1 Pitada de Noz Moscada
Sal grosso para temperar a gosto

Modo de Preparo:

Derreta a manteiga no azeite em uma panela grande em fogo médio-alto.
Adicione as cebolas e mexa a frigideira sobre o fogo até dourar por cerca de 3 a 5 minutos.
Adicione a abóbora picada e mexa com uma colher até que todos os pedaços estejam misturados ao óleo.
Coloque o caldo knorr e logo em seguida adicione o purê de abóbora e mexa bem.
Cubra com água e tampe a panela.
Deixe cozinhar por 20 minutos, até a abóbora ficar bem macia.
Após cozinhar, bata a sopa no liquidificador ou em um processador, até que fique uniforme. Tome cuidado, pois a sopa fica muito quente.
Após misturar a sopa no liquidificador, coloque-a em uma panela passando por um coador. (Coadores grandes de aço inox são a melhor opção)
Leve de volta ao fogo médio, adicione o creme de leite, sal e a noz moscada.
Logo antes de servir, adicione as gotas de Patchouli. (Atenção, adicione as gotas aos poucos e vá testando para o sabor ficar agradável ao seu paladar. Quantidades menores de gotas podem ser o suficientes).
Mexa até misturar bem, então sirva!

Delicie-se e se surpreenda com essa delícia da estação!

RECEITA DO SITE: http://www.peacefulmind.com/October%20Herb%20of%20the%20Month%20Patchouli.pdf

Este óleo está disponível em:

so_pria
Natural é Estar Bem!
www.pria.com.br

OS NEURÔNIOS CANIBAIS

1910142_699807960090152_2080738223727956716_n
Passar fome não é boa ideia para quem quer emagrecer. Pesquisadores do Albert Einstein College Medicine (EUA) descobriram que a privação de alimento leva os neurônios ligados ao controle do apetite a devorar células semelhantes para obter as substâncias de que necessitam. O processo ocorre no hipotálamo, estrutura cerebral que regula as sensações de fome e saciedade. Por mecanismos complexos e agora explicados por um estudo feito em animais, o processo leva à liberação de ácidos graxos que estavam guardados no interior das células canibalizadas. “Isso aumenta ainda mais a fome”, afirmou Rajat Singh, autor do estudo, publicado na edição deste mês da revista “Cell Metabolism”.

LINK DO ARTIGO: http://download.cell.com/cell-metabolism/pdf/PIIS1550413111002579.pdf?intermediate=true

Outros links:
http://blogs.discovermagazine.com/80beats/2011/08/04/dieting-starves-your-brain-cells-turning-neurons-into-self-cannibals/#.VDK3OfldU00
http://brainstudy.wordpress.com/2011/08/22/cannibal-neurons/

PRIA
Sua Saúde Natural!
www.pria.com.br

ARTEMÍSIA: A NOVA ARMA CONTRA O CÂNCER?!

10676139_689130107824604_3906055421603400115_n

Texto de Fabian Laszlo

Cientistas descobriram que o componente artemisina da Artemisia annua, usado tradicionalmente no tratamento da malária, possui potente ação anticancerígena.
Em um estudo foi observada capacidade da artemisina matar 98% de células cancerígenas pulmonares em menos de 16 horas! Este efeito é alcançado pela associação da erva com ferro, justamente o motivo do parasita da malária morrer, pois ele é rico em ferro.

“In general, our results show that artemisinin stops ‘E2F1′ transcription factor and intervenes in destruction of lung cancer cells, meaning it presents a transcription way according to which artemisinin controls reproductive cancer cell growth”

Para ler mais ou assistir o vídeo a respeito acesse:

http://www.healthyfoodhouse.com/amazing-herb-kills-cancer-cells-in-just-16-hours/

http://www.whydontyoutrythis.com/2014/01/amazing-herb-kills-98-cancer-cells-just-16-hours.html

http://www.infiniteunknown.net/2014/07/06/artemisia-annua-amazing-herb-kills-98-of-cancer-cells-in-just-16-hours/

http://www.bioportfolio.com/resources/pmarticle/77537/Iron-enhances-generation-of-free-radicals-by-Artemisinin-causing-a-caspase-independent.html

A artemísia você encontra na Pria!
Sua saúde Natural!
www.pria.com.br

Alho Negro Caseiro – Como fazer?

Reblogando de http://www.tampopogourmet.com.br/2012/05/alho-negro-caseiro-como-fazer.html
Desde que conheci o alho negro, coloquei na cabeça que iria dar um jeito de fazê-lo em casa.

Sabia que o alho deveria sofrer um longo processo de maturação, com temperatura (cerca de 60ºC) e umidade controladas.

Não sei como é o processo industrial do alho negro, mas o caseiro ficou bem parecido, embora um pouco mais úmido. Além disso, o meu também não passou por pasteurização, processo importante em produtos industrializados.

Depois de alguns dias na geladeira, o sabor do alho ficou praticamente idêntico aos que eu já havia comprado.

A pedidos, vou explicar o modo como fiz. Quem tiver interesse, pode pegar a essência do processo e tentar adaptar aos utensílios disponíveis em casa.

aDSC_0931

UTENSÍLIOS:
Panela elétrica de fazer arroz (capacidade de 10 copos)
Suporte com aproximadamente 20cm de diâmetro e 15cm de altura
Fita isolante
Papel Alumínio
Papel Manteiga

INGREDIENTES:
20 cabeças de alho comum de boa qualidade

MODO DE FAZER:

Cobrir a panela de arroz com 4 faixas de papel alumínio, distribuídas de forma a cobrir todos os lados internos do recipiente da panela de arroz. É importante que as faixas tenham cumprimento para cobrir todos os lados do recipiente e ainda sobrar o suficiente para cobrir as cabeças de alho (que serão colocadas depois).

Em seguida, fazer o mesmo com o papel manteiga, de forma a cobrir todo o papel alumínio.

2012-03-17_09-43-02_857

Distribuir no fundo do recipiente uma camada de cabeças de alho.

2012-03-17_09-47-25_879

Colocar o suporte sobre a primeira camada e fazer outra camada de alho.

2012-03-17_09-57-39_288

Suporte para a segunda camada de alho não emprensar a camada inferior.

2012-03-17_09-59-58_751

Segunda camada de alho.

Envolver o alho com as faixas de papel manteiga e alumínio.

2012-03-17_10-02-44_951

Colocar mais uma camada de papel alumínio por cima de tudo.

mail

Colocar dentro da panela elétrica.

2012-03-17_10-10-40_615

Vedar todas as saídas de vapor da panela com fita isolante.

2012-03-17_10-18-18_702

A partir disso, ligar a panela na tomada e deixar na função de aquecimento por 21 dias.

2012-03-17_10-19-29_741

No 21º dia, tirar a fita isolante e deixar por mais 5 horas.

2012-04-04_23-48-30_148

Pronto!!! Basta abrir a panela e deixar o alho esfriar.

Depois disso, é só usar.

Que tal um Linguine com tomatinhos e alho negro? Fácil e rápido!

Demorado é só o alho negro mesmo…

aDSC_0805b

DICAS E CONSIDERAÇÕES:

a) Quanto melhor o alho comum utilizado, melhor será o seu alho negro.
b) Conservar o alho negro, depois de pronto, em geladeira.
c) O suporte que eu tenho em casa é de metal. Acho que ele esquentou muito e deu uma ressecada nos alhos da camada de cima. Vou procurar um de madeira.
d) Não sei ao certo qual a temperatura interna da panela elétrica na função de aquecimento, mas li que a temperatura ideal é de 60ºC a 70ºC.
e) Outro teste que quero fazer é o de envolver cada uma das camadas em um pacote separado de papel manteiga e papel alumínio para ver se a umidade se conserva melhor.
f) O uso da fita isolante é essencial para que o alho não perca a umidade. Quando fiz sem a fita, o alho virou pedra.
g) Li algumas matérias interessantes no site do Alho Negro Luigi, incluindo uma que fala sobre os seus benefícios.
h) Para quem quiser fazer um alho profissional, há algumas apostilas anunciadas na internet que explicam o processo. Como não comprei nenhuma, não tenho indicação para fazer.
i) Comprei duas marcas de alho negro e achei que o da Marisa Ono é o mais saboroso e de textura mais cremosa.

Alho Negro: Uma Saborosa Opção no Combate ao Estresse Oxidativo

aDSC_0931

(no próximo post vai uma receita caseira para fazer esse delicioso alho)

Alho Negro: Uma Saborosa Opção no Combate ao Estresse Oxidativo.
* Texto elaborado pela Nutricionista Gabriela Andrello Paschoal do Departamento Científico da VP Consultoria Nutricional

O alho (Allium Sativum L.) é um condimento bastante presente no cotidiano das pessoas. A sua exploração não foi apenas como especiaria, pois tem sido também utilizado para outros fins, dependendo da cultura. Ao longo dos tempos, através de vários estudos, foi-se descobrindo que o bulbo desta planta possuía também propriedades benéficas para a saúde (1). Ele possui fortes poderes antioxidantes e foi sugerido que pode prevenir doença cardiovascular; inibir a agregação plaquetária e a formação de trombos; prevenir câncer, doenças associadas ao envelhecimento cerebral, artrites e formação de catarata; rejuvenescer a pele e melhorar a circulação e os níveis de energia (2).

Estão presentes no alho compostos organosulfurados, os quais desempenham atividades benéficas à saúde como a aliina (hipotensora, hipoglicemiante), ajoeno (antiagregante plaquetário), alicina (antibiótica, antifúngica, antiviral), alil-mercaptano (hipocolesterolêmica, hipotensora, antitumoral), dialil-dissulfido (hipocolesterolêmica, antitumoral) e compostos gama-glutâmicos (antioxidante, hipocolesterolêmica, antitumoral) (3).

Um estudo chinês mostrou que, in vitro, a alicina reduziu a viabilidade de células cancerígenas gástricas, de maneira, dose e tempo-dependente, o que sugere uma diminuição na proliferação dessas células, evitando a progressão da doença, podendo ser utilizada tanto na prevenção quanto no tratamento (4). Ainda com relação ao câncer, outro estudo observou que a alicina também pode auxiliar no tratamento e prevenção do câncer de cólon, pelo mesmo efeito observado quanto a neoplasias gástricas (5).

Li e colaboradores (6) demonstraram, in vivo, outro efeito bastante interessante, pois constataram que a suplementação preventiva de alicina previne perda de memória e dificuldade de aprendizagem de indivíduos portadores de Mal de Alzheimer, fato atribuído, possivelmente, ao aumento na atividade da superóxido dismutase (SOD), redução dos níveis de malondialdeído e diminuição de alguns genes envolvidos na progressão dessa doença.

Recentemente, descobriu-se que a alicina também possui atividade antiparasitária, principalmente contra Plasmodium falciparum e Trypanosoma brucei brucei, pois inibe enzimas produzidas por esses parasitas e que causam danos à saúde dos seres humanos (7).

Em estudo argentino, Vazquez-Prietro e colaboradores (8) observaram, in vivo, que o extrato aquoso de alho pode prevenir o estresse oxidativo e o remodelamento vascular em casos de síndrome metabólica. Outra importante consequência, observada por estudo chinês, quanto à diminuição do estresse oxidativo, foi uma proteção contra hipertrofia e fibrose cardíaca. (9).

Atualmente, na gastronomia, principalmente chinesa, o alho negro está ganhando espaço. Ele é produzido a partir do envelhecimento do alho fresco em alta temperatura (70°C) e alta umidade (90%UR). Durante o processo de envelhecimento, compostos instáveis do alho fresco, incluindo a aliina, são convertidos em compostos estáveis, como a s-alil cisteína, um composto hidrossolúvel com potente efeito antioxidante, fato este que sugere que o alho negro tenha um poder antioxidante maior do que o alho fresco (10).

Young-Min Lee e colaboradores (10) identificaram que o consumo de alho negro aumentou a atividade da SOD e da glutationa peroxidase (GPx) e quando comparado ao alho fresco, seu consumo reduziu significativamente mais os níveis séricos de TBARS.

Um estudo realizado na Coreia, o qual explorou o potencial do extrato clorofórmico de alho negro no estresse oxidativo, mostrou que além de atenuar a atividade de moléculas de adesão, diminuiu a produção de fator de necrose tumoral alfa (TNF-alfa) induzida por espécies reativas de oxigênio (EROs) e inibiu a ativação de fator de transcrição kappa B (NFkB), dados estes que fornecem novas evidências da atividade anti-inflamatória deste alimento (11). Outras interessantes propriedades do alho negro são os seus efeitos hipoglicemiante e hipocosleterolêmico, como demonstrado em um estudo coreano, o qual comprovou que consumir alho negro reduz significativamente a resistência insulínica, a glicemia e o colesterol total, além de aumentar os níveis de HDL colesterol (12).

Portanto, podemos concluir que o alho negro, assim como o alho fresco, possui atividades anti-inflamatórias, antioxidante, hipoglicemiante e hipocolesterolêmica. Porém, observa-se uma potencialização desses efeitos, mostrando que o processo de envelhecimento do alho não altera as suas propriedades.

Referência Bibliográfica:
1. MENDES, P. A. P. Estudo do teor de Alicina em Alho. São Paulo: IPB, 2008. 22p. Dissertação (mestrado) – Instituto Politécnico de Bragança, 2008.
2. KALLUF, L. J. H.; PASQUA, I. C.; A Fitoterapia Funcional na modulação anti-inflamatória imunomoduladora e antienvelhecimento. In: KALLUF, L. J. H. Fitoterapia Funcional: dos Princípios Ativos à Prescrição de Fitoterápicos. 1.ed. São Paulo: VP Editora, 2008.
3. GARCIA GOMEZ, L.; SANCHEZ-MUNIZ, J. Revisión: Efectos cardiovasculares del ajo (Allium sativum). Arch Latinoam de Nutr: 50 (3): 219-229, 2000.
4. ZHANG, W.; HA, M.; GONG, Y. et al. Allicin induces apoptosis in gastric cancer cells through activation of both extrinsic and intrinsic pathways. Oncol Rep; 24(6):1585-92, 2010.
5. LI, X. H.; LI, C. Y.; XIANG, Z. G. et al. Allicin can reduce neuronal death and ameliorate the spatial memory impairment in Alzheimer’s disease models. Neurosciences (Riyadh); 15(4):237-43, 2010.
6. BAT-CHEN, W.; GOLAN, T. ; PERI, I. et al. Allicin purified from fresh garlic cloves induces apoptosis in colon cancer cells via Nrf2. Nutr Cancer; 62(7):947-57., 2010.
7. WAAG, T.; GELHAUS, C.; RATHE, J. et al. Allicin and derivates are cysteine protease inhibitors with antiparasitic activity. Bioorg Med Chem Lett.; 15;20(18):5541-3., 2010.
8. VAZQUEZ-PRIETP, M. A.; GONZÁLEZ, R. E.; RENNA, N. F. et al. Aqueous garlic extracts prevent oxidative stress and vascular remodeling in an experimental model of metabolic syndrome. J Agric Food Chem; 58(11):6630-5, 2010.
9. LIU, C.; CAO, F.; TANG, Q. Z. et al. Allicin protects against cardiac hypertrophy and fibrosis via attenuating reactive oxygen species-dependent signaling pathways. J Nutr Biochem.; 21(12):1238-50, 2010.
10. LEE, Y. M.; GWEON, O. C.; SEO, Y. J., et al. Antioxidant effect of garlic and aged black garlic in animal model of type 2 diabetes mellitus. Nutr Res Pract; 3 (2): 156-161, 2009
11. LEE, E. N.; CHOI, Y. W.; KIM, H. K. et al. Chloroform extract of aged black garlic attenuates TNF-alpha-induced ROS generation, VCAM-1 expression, NF-kappaB activation and adhesiveness for monocytes in human umbilical vein endothelial cells. Phytother Res; 2010.
12. SEO, Y. J.; GWEON, O. C.; LEE, Y. M., et al. Effect of Garlic and Aged Black Garlic on Hyperglycemia and Dyslipidemia in Animal Model of Type 2 Diabetes Mellitus. J Food Sci Nutr; 14 (1): 1-7, 2009.

FONTE: http://www.vponline.com.br/_site/newsletter.php

Texto de Débora Fantini para a Folha de São Paulo